Ninguém duvida que a presença do participante na Fundação Libertas, por meio do diretor e dos conselheiros  eleitos, representa  uma vitória  para os mais de 11 mil participantes da COPASA. Precisamos, entretanto, entender essa conquista a partir de duas outras perspectivas.

A primeira é que a nossa presença na gestão da Libertas também faz crescer nossa responsabilidade com relação aos rumos da entidade. Agora, além dos representantes eleitos para os conselhos Deliberativo e Fiscal, temos um diretor que foi escolhido pelos participantes e que estará assinando junto com a Diretoria Executiva os principais atos da entidade.

A outra questão diz respeito à responsabilidade que temos com o nosso futuro. Estar atento ao que acontece na Fundação é responsabilidade primeira de todos os participantes. Mês a mês, tiramos parte significativa da nossa remuneração, muitas vezes em detrimento de outras necessidades pessoais ou familiares, para constituir um fundo financeiro para garantir uma  aposentadoria confortável e tranquila. Para mim, este tipo de investimento, de caráter tão pessoal e significativo, não pode ser completamente “terceirizado”. Precisamos, sim,  todos nós, estarmos “de olho” ao que acontece na Fundação Libertas.

Entretanto, acompanhar a gestão de uma entidade de previdência privada não é uma tarefa fácil. Os maiores obstáculos para um leigo é entender a linguagem financeira e os procedimentos legais e atuariais envolvidos. Para isto,  a ACOPREVI existe. Nosso papel mais relevante é entender e divulgar em uma linguagem mais acessível os fatos mais significativos da gestão da Libertas. Para isto participamos constantemente, junto com o Coletivo de “De Olho na Libertas”, de reuniões com gestores de todos os níveis da Fundação ou, quando é necessário registrar uma posição, pontuamos a entidade por meio de correspondência. Essa presença constante do “dono” faz crescer o respeito da Fundação pelos interesses dos participantes.

Nos bastidores, a ACOPREVI e o Coletivo têm assessorado os conselheiros eleitos e, a partir de agora, também o diretor administrativo José Maria. Por meio da discussão de questões que se apresentam e do assessoramento técnico para análise dos documentos pautados para decisão,  vamos empoderando nossos representantes com conhecimento e informação,   para que eles possam defender  nossos interesses com fatos e dados.